Skip navigation

Category Archives: out

Também conhecida como Hatsune Miku no Japão, uma “cantora” (*) virtual que já fazia muito sucesso, agora foi “materializada”. Vindo desse país não assusta tanto, mas isso chegou ao limite e se você é ignorante ao ponto de achar que já viu de tudo, tome esta bela voadora estilo Lindomar:

Sim, isto é um holograma, e não, ela não vai te dar mole.

Como se não bastassem reality shows, novelas, orkut e outros tipos de entretenimento que já nos tiram da realidade o suficiente, agora temos um “ser” que é adorado como se fosse uma pessoa de carne e osso.

Eu entendo e aprecio os passos que damos em relação à Tecnologia, que a cada dia facilita mais nossas vidas, mas tudo precisa de um limite, um bom senso. Quando alguém vê esse vídeo com certeza se encanta com o quanto somos inteligentes e capazes de criar, mas será mesmo necessário até isso para nos divertir? Onde está nossa humanidade?

“Como todo mundo, você nasceu numa prisão que você não consegue cheirar, sentir ou tocar. Uma prisão para sua mente”

Pra quem já se sentia fora da realidade nesse mundo, depois de tantas “atrações” estranhas que nos deslocam pra fora da normalidade, como Lady Gaga por exemplo, penso que chegamos ao ápice. É possível se sentir entrando na Matrix, a cada dia, a cada minuto. Talvez nem possamos fazer mais nada, pois o futuro só nos aprisiona mais, nos deixa mais dependentes desse tipo de conteúdo, desse tipo de “realidade”.

A mentira está se tornando nossa verdade, estamos cada vez mais “conectados” e isso não é tão legal quando parece. Já se perguntou qual foi a ultima vez que ficou ao menos uma semana sem estar em contato com esse mundo tecnológico?

Depois disso me sinto mais que no direito de MANDAR pararem o mundo, pois quero descer!

(*) Cantora é o ca****, ela nem pensa, logo não existe.
Ps: Gorilaz também eram virtuais, mas não holográficos, e os caras tocavam de verdade atraz do palco, já essa “garota” tem até a voz sintética

Anúncios

 

O homem de hoje é sozinho com todo mundo. Uma sociedade de solidão coletiva, onde cada pessoa vive seu próprio mundo, sua própria fantasia em seu próprio quarto, em seu próprio apartamento (lê-se cubículo). Impulsionado pelos pais direta ou indiretamente a ser independente, segue seu rumo num espaço desconhecido, onde acaba por ser só mais um com a mesma história. Atualmente a vida da maioria das pessoas em grandes metrópoles é essa, viver preso em sua própria moradia, que hoje serve como caverna, onde nos escondemos de nossos inimigos, dos nossos medos e de nossa realidade. Temendo o presente e o que possa nos ameaçar, criamos uma casca pra nos proteger. Ali criamos nossos próprios mundos, nosso universo. Nele ninguém nos atinge.

 

 

O problema de criar essa carapaça é achar que esta protegido nela, quando não esta. Ela quebra, e muito fácil. Com a pedra chamada “Realidade”, esse escudo de vidro se quebra, quando a verdade se revela a alguém assim. Porque um dia temos que perceber onde estamos indo, um dia temos que acordar e tomar consciência dessas coisas. E mesmo que isso tire nosso conforto, nossa conformidade inconsciente, é bem melhor que viver numa prisão invisível, que teimamos em não querer ver, mesmo sabendo que tem algo ali, nos sufocando.

 

 

 

Saindo das asas da ignorância, que nos deixa tão aconchegados, podemos ser o que somos, quem somos. É melhor ser uma pessoa de mente aberta, ou mais uma formiga seguindo as ordens da rainha?

 

 

“O mundo é um belo livro, mas com pouca utilidade para quem não sabe ler.”

Eu não consigo ser outro, outra pessoa, outra personalidade, só consigo dizer a verdade.

Eu não fui feito pra viver nessa sociedade, eu não posso me adaptar a esse caos, a cada dia me surpreendo mais, a cada dia novas bizarrices aparecem, o mundo cada vez piora, tanto por dentro como por fora. Os seres humanos e suas emoções fabricadas, sua ganância, ninguém aqui é inocente eu sei, mas viver num mundo assim não pode ser, não pode ser verdade, eu não posso acreditar que chegamos a esse ponto, se olharmos pra traz veremos como “evoluímos”, sempre matando de forma diferente, mais eficaz, mais suja e covardemente, não, não, eu não poderia nem me declarar como parte disso, mas não posso esconder, também sou humano, também sou um deles, também tenho cinco dedos e duas pernas assim como os cientistas que inventaram a bomba atômica, e não tenho nenhum orgulho de dizer isso, na verdade tenho é vergonha.

Esse problema deve ter nome, e conseqüentemente, tratamento. Pensar às vezes é ruim, veja bem, você tem tanta coisa na cabeça, que não consegue parar de pensar, e conseqüentemente, tem sempre suas idéias por perto, como policiais, te defendendo de qualquer mentira. Sempre que você pensa em algo, já tem a resposta, no sentido de já saber se aquilo é certo ou não, entende? A moral é exacerbada em se fazer presente. Tentar sempre fazer o certo nos torna diferente, e no fundo não conseguimos ser felizes, porque fazer o certo é difícil quando todo mundo faz o errado. Ai quem parece errado somos nós.

Promiscuidade-Somos como cachorros

Exemplo: Todo mundo acha legal ser promíscuo, apesar de ironicamente odiarem essa palavra, talvez por medo de confrontar a verdade. E acham normal, tranqüilo e comum. Eu NÃO acho legal, e não acho certo, talvez por experiências na infância, más experiências, mas do meu ponto de vista acho ruim, é uma coisa estranha, é usar o outro a beneficio próprio, é ser um animal, um neandertal, como se o importante fosse só acasalar e proliferar a espécie, mas NÃO, CHEGA! Já passamos disso, agora somos racionais, não tem motivos pra isso, eu não vejo motivos pra isso. Eu sei q é difícil encontrar alguém legal e tal, mas esse também não é o meio, muito menos o correto. A psicologia deve dar um “motivo” pra essa promiscuidade, pode ser algo como “um vazio” que as pessoas tentam preencher ficando com varias outras pessoas que também desejam preencher esse vazio.

Completando que mesmo se eu não tivesse problemas com timidez, pensaria da mesma forma, não mudo minha cabeça, nem quero me tornar idiota, não sou um gênio, mas também não sou uma pessoa que faz coisas sem saber o porque. Isso é alienação, e não faço parte disso.


[…] Vamos celebrar
A estupidez humana
A estupidez de todas as nações […]

[…] Vamos celebrar
A estupidez do povo
Nossa polícia e televisão
Vamos celebrar nosso governo […]

[…] Vamos celebrar nossa justiça
A ganância e a difamação
Vamos celebrar os preconceitos […]

Dentro das paginas antigas foi encontrado velhas historias, das quais, muitas nos fazem refletir. Mas sabemos que não é só isso que importa, também é preciso saber o caminho a se tomar. Com uma boa intenção se consegue, sem muito esforço, avistar uma luz no caminho. Cada pedaço de um livro nos traz parte de uma vida, de um acontecimento, juntando as peças, nos tornamos inteiros, ou, mais completos. A transformação parte da sua vontade em descobrir a historia de um livro, a partir daí não se para mais, se vai longe, o universo expande em diversas direções.

O problema é manter o pensamento linear, não perder as rédeas da lógica.

As vezes penso que o que preciso é de uma “surpresa”, pra que tudo mude, algo que exploda de dentro pra fora e transforme tudo.Costumo chamar isso de, “uma ação isolada que abre uma reação em cadeia”. Seria como algo significativo, de certa forma sério, que acontece, e afeta tudo de dentro pra fora, tipo o BigBang, um coisa pequena mas que se expande mudando tudo a sua volta.Apelidei essa espécie de ferramenta de CAOS. Uma revolução do pensamento que é a única solução que encontro nesse momento, pra mudar essa rotina, e pra me fazer seguir o caminho que quero, ser “normal” de certa forma.

Mas o problema esta em achar um meio de chegar a esse “caos”, pra que ocorra a mudança. Mas há uma questão, será preciso encontrar esse caos, ou deixa-lo me encontrar? Dúvida!
Por essas e outras criei esse Blog, talvez ele me ajude a achar ou ser achado pelo Caos. Assim poderei fazer a mudança necessária para um patamar maior.